Por que estudar a história da igreja?

Se a história da igreja não bombear seu sangue, é melhor verificar seu pulso espiritual. Somente o século XVI fornece um tesouro de narrativas emocionantes. Pense na ousada e ousada posição de Martinho Lutero em favor do evangelho contra os erros destrutivos de Roma.

Considere o testemunho fiel dos mártires ingleses que morreram cantando salmos como eles foram consumidos por chamas. Ou, que tal a vida corajosa de John Knox, que enquanto escravizado nas entranhas de um navio de galé francês gritava: “Dá-me a Escócia ou eu morro”?

O estudo da história da igreja, no entanto, destina-se a fornecer mais do que apenas inspiração. A reflexão séria sobre o passado nos protege do erro, nos lembra da fidelidade de Deus e nos motiva a perseverar.

História  e Concílios da Igreja

O filósofo irlandês Edmund Burke sabiamente observou que “aqueles que não conhecem a história estão condenados a repeti-la”. De fato, sem um conhecimento básico da história da igreja, cristãos e igrejas individuais tendem a repetir os mesmos erros doutrinários e erros tolos dos dias anteriores. .

historia da igreja

A familiaridade com a história e a teologia dos primeiros concílios ecumênicos de Nicéia (325) e Calcedônia (451), por exemplo, ajuda a proteger indivíduos e igrejas da crença inconsciente de antigas heresias trinitárias e cristológicas. Além disso, uma reflexão cuidadosa sobre movimentos reavivalistas como o Segundo Grande Despertar nos adverte a não abandonar o ministério bíblico por métodos manipulativos e crescimento numérico rápido.

O estudo da história da igreja, portanto, preserva tanto a ortodoxia (doutrina correta) quanto a ortopraxia (prática correta). Além de nos proteger do erro doutrinário, o estudo da história da igreja ajuda a nos proteger de repetir os erros tolos dos outros. Um exemplo vem da vida e ministério de John Knox.

O ardente escocês escreveu um tratado polêmico em 1558 intitulado “A primeira explosão da trombeta contra o regimento monótono das mulheres”. A obra condena, sem remorso, a regra das monarcas mulheres. Contra o melhor julgamento de João Calvino e outros, que estavam estrategicamente trabalhando para a reforma na Grã-Bretanha e no Continente, Knox apresentou sua “Primeira Explosão” para publicação.

Rainha Elizabeth I

Embora apontado principalmente para outras monarcas, o trato inadvertidamente caiu nas mãos da recém-coroada rainha Elizabeth I. Sem surpresa, a rainha ficou altamente descontente. Depois disso, Knox e todos os associados com a Reforma Genevan perderam o favor com Elizabeth, tudo por causa de um tratado desnecessário sobre soberanos femininos.

A decisão insensata do reformador escocês de publicar “First Blast” ensina uma lição importante. Ele instrui os ministros e outros a serem mais cuidadosos com o conteúdo e o tempo de seus escritos, especialmente em um dia em que a publicação independente e a postagem instantânea (e muitas vezes não editada) nas mídias sociais são tão comuns. Nem toda convicção profunda ou opinião forte é digna de publicação.

O conhecimento de eventos do passado, portanto, informa construtivamente nossas decisões no presente. Ela nos protege da heresia e da imprudência.

Lembrete da fidelidade de Deus

Estudar a história da igreja é estudar a fidelidade inflexível de Deus. Os cristãos devem refletir regularmente sobre essa verdade em um mundo onde há crescente perseguição à igreja e o futuro parece incerto. Como o salmista, devemos “relatar todas as maravilhosas ações [de Deus] para nos lembrarmos de que Ele nunca nos deixará ou nos abandonará (Sl 9: 1 ; Hb 13: 5 ).

As Escrituras fornecem uma riqueza de história para nos lembrar da fidelidade inabalável de Deus. Desde os dias da criação até o ministério de Cristo até o estabelecimento da igreja, a Bíblia conta a história do Deus soberano que é fiel ao Seu povo. Mas não é só na história redentora que a fidelidade de Deus está em exibição; também é visto nos anais da história da igreja.

Considere como a fidelidade de Deus se manifesta na preservação e expansão da igreja primitiva durante as terríveis perseguições do imperador romano Diocleciano. Pensem na fidelidade de Deus na restauração e ascensão da proclamação do evangelho durante a Reforma Protestante do século XVI ou na espantosa multiplicação de crentes na China desde 1850.

Motivação para Perseverar

E há milhares de histórias individuais dentro das maiores que nos lembram que nosso Pai celestial pode e deve ser confiável, não importa quais sejam as nossas circunstâncias.

Todo crente sabe que precisa desesperadamente de graça divina, motivação e encorajamento para continuar. É claro que Cristo e Seus meios ordenados da Palavra, sacramento e oração são os meios essenciais e a motivação para a perseverança (Hebreus 12: 2). Mesmo assim, podemos encontrar motivação para perseverar no estudo da história da igreja.

Considerando que “grande nuvem de testemunhas”, a vida piedosa dos crentes do passado, pode motivar e inspirar-nos a “deixar de lado todo peso, e o pecado que se apega tão de perto. . . [e para] correr com perseverança a carreira que nos é proposta ”(Heb. 12: 1). Você está se sentindo espiritualmente cansado? Você está pronto para desistir?

Atire-se nos braços de Cristo e também nas páginas da história da igreja. Gastar tempo refletindo sobre as vidas fiéis e as vozes piedosas do passado, sobre aqueles cuja fé motiva você a continuar correndo.

Pegue e leia uma biografia de Martin Luther, John Bunyan, Jonathan Edwards ou Elisabeth Elliott. Explore uma visão geral da Reforma ou uma pesquisa do movimento missionário moderno. Martyn Lloyd-Jones certa vez afirmou que todo “cristão deveria aprender da história. . . é seu dever fazer isso. Ele estava certo. Portanto, querido crente, vamos estudar, aprender e desfrutar da história da igreja.

Autor: Jon Payne

Por que estudar a história da igreja?
5 (100%) 24 votes